Os dez mandamentos das boas compras

Situação clássica: você finalmente consegue juntar uma grana, ou recebe sua mesada/salário, bate aquela felicidade infinita e você resolve se jogar nas compras. Quando chega em casa, percebe que a calça jeans que você comprou é igualzinha a uma que já tinha, que a jaqueta de couro roxa não combina com nada do que você tem e que aquela saia preta que ficou bacanérrima no espelho da loja tem costuras soltas e cai muito mal no corpo. Se identificou?

Pois é, isso é porque no calor do momento, nas vitrines iluminadas e lindas, no meio de tantas peças-desejo e na nossa vontade de ter tudo aquilo, um espírito maligno que toma conta da gente e faz a gente querer as coisas mais absurdas e incoerentes, o espelho da loja parece que colabora pra tudo parecer tudo ficar no lugar e a vendedora funciona como o diabinho da nossa consciência, fazendo a gente concordar com tudo aquilo e se achar deusa num vestido de paetês amarelo. Mas e aí?

delirios de cosumo2Parece difícil driblar tudo isso, mas não é. Eu separei aqui dez dicas bacanas pras suas compras serem mais eficientes e os gastos ficarem menores. Não, eles não vão te livrar completamente dos ‘vilões’ que a gente citou no parágrafo anterior, mas vão fazer com que seus efeitos diminuam gradualmente.  Com o tempo e a prática, esses ‘mandamentos’ vão virando rotina e quando você menos esperar, vai fazer tudo isso inconscientemente! Olha só!

  1. Olhe bem pro seu guarda-roupas e veja o que você precisa de verdade. Aproveite pra redescobrir suas roupas (aquela peça incrível que você só usou uma vez pode estar lá no fundo do armário esperando pra ser resgatada). Tire o que não quer mais e doe, ou venda (sites como o enjoei.com oferecem o serviço de venta de peças usadas em bom estado). Faça uma lista com as peças que você quer/precisa.
  2. Aproveite para reciclar. Sustentabilidade sim não sai de moda. Não estou falando dessas customizações que já estão dando no saco, tipo jogar sua roupa na água sanitária (saiba que isso destrói as fibras do tecido, tá?!), mas de mudar um comprimento, reaproveitar tecidos, adicionar detalhes, lançar novos olhares sobre velhas coisas. Uma calça flare dos anos 90 que você ganhou da sua prima pode sirar um short com barra italiana e aplicação de pequenas pérolas. Dê ou venda apenas o que não combinar mesmo com você, o que você já tiver enjoado ou o que não servir mais. 04
  3. Intercâmbios também funcionam! Pegue uma amiga/prima/irmã que tenha as mesmas medidas que você e troque! O que você já não gosta pode ser novidade pra ela e vice-versa!
  4. Com tudo isso feito, não saia para as compras sem a lista em mãos, e defina suas prioridades (o que pode ser comprado primeiro, o que pode ser deixado para o mês seguinte). As peças mais clássicas, não sazonais, valem mais o investimento, e compra-las em lojas de maior qualidade compensa. As peças ‘da moda’, em cores e cortes que rapidamente sairão de cena, podem ser compradas, sem maiores problemas, em fast-fashions. É essa lista que pode te impedir de fazer a louca e comprar aquele casaco com estampa de abelha em vez da calça preta que você precisa.
    19381_2
  5. Existe um cálculo justamente pra saber o que vale ou não o investimento, conforme citado acima. Você pega o preço da peça e divide pelo número de vezes que você pode usá-la, em quantos looks diferentes (versatilidade), o número de estações diferentes em que você vai usar (se for de frio ou de calor, mas isso depende um pouco do clima da sua cidade também), o tempo em meses de duração estimada (qualidade do tecido e das costuras), se há possibilidade de atualizar a peça posteriormente (mudar botões, adicionar bordados/tachinhas, mudar o comprimento, etc), com quantas outras peças suas essa que você está prestes a comprar combina (isso é FUNDAMENTAL, a vida fica muito mais fácil quando suas roupas e acessórios tem uma coesão e combinam entre si) e se a peça é ‘sazonal’ ou não. Exemplo prático: Dessa forma, um trench coat preto, por exemplo. Digamos que ele custe 200 reais. Eu posso usá-lo no inverno e outono (2), em 10 looks diferentes (10), posso usar por cima de vestidos de festa (1), que ele dure cerca de dois anos (24, porque o tempo é em meses), não sendo sazonal (1) e apresentando três possibilidades de customização (3). Se o resultado for igual ou menor que 7, a peça vale o investimento. Dessa forma: 200/2+10+1+24+1+3 = 200/41 = 4,8. Sim, compensa comprar o trench coat preto. É um cálculo meio louco, mas acreditem, já me ajudou a decidir muita vezes entre comprar ou não determinada coisa. É fundamental também experimentar todas as peças e ficar atento a manchas, costuras soltas e avarias.
  6. Nunca subestime nenhum tipo de loja. Até mesmo as mais baratex podem ter algo que te surpreenda.
  7. Também, não superestime nenhuma loja. Até mesmo as mais caras podem fazer promoções/liquidações ou outlets que cabem no seu bolso, com a vantagem da qualidade. 15
  8. NUNCA deixe passar batido um brechó ou bazar. Eu sei que a gente tem um preconceito danado com esse tipo de lugar. Mas o ‘usado’, ‘de segunda mão’ tem ganhado uma força tremenda. Já citei acima, mas o site Enjoei, por exemplo, dá novos donos pra peças usadas que são lindas e super atuais. Eu já comprei peças incríveis que custaram 1/20 do preço da mesma nova, na loja. É claro que alguns cuidados básicos são requeridos, como o olhar atento a pequenos (ou grandes) rasgos e danos e uma boa limpeza antes da peça figurar no seu guarda-roupa. Mas é uma coisa que vale a pena. Vá com a mente aberta, ciente de que você poderá querer trocar os botões ou mudar o comprimento das peças, e aproveite os ótimos preços. Ah, e sem esquecer que existem, nas cidades maiores, os brechós de grife, que vendem roupas e acessórios incensadíssimos por preços módicos.
  9. Não subestime o poder dos acessórios. Eles podem repaginar todos os seus looks num piscar de olhos, se você souber compra-los em coerência com seu estilo.
  10. Não deixe as coisas saírem do controle. Tenha exata noção do dinheiro que você tem para não sair do controle, fazer a Becky Bloom e se mergulhar em dívidas. O ideal é sempre comprar no dinheiro e a vista. No caso de cartões de créditos e parcelamentos, tenha certeza que as prestações cabem na sua mesada ou seu salário.19381_52

Extra: Faça das suas compras uma coisa divertida. Chame as amigas! Elas podem tanto te ajudar com todos os itens acima, não te deixar pirar o cabeção numa peça nada a ver, quanto te acompanhar num brunch, sorvete ou cineminha depois. E boas compras!

P.S.: As imagens são do filme ‘Os delírios de consumo de Becky Bloom’, um dos meus favoritos em se tratando de moda, porque fala sobre o consumo desenfreado – uma ótima pedida pra assistir antes de pensar em sair de casa pra comprar algo!

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s